Vereadores apontam precariedade no PAI

Representada pelos vereadores Adriano Miranda (PHS), José Fiorilo (PTC) e Kennedy Ribeiro (PMDB), a Comissão de Saúde Pública e Bem-Estar Social da Câmara visitou, na última quarta-feira (22), o Pronto Atendimento Infantil (PAI), unidade de saúde mantida pela Prefeitura que funciona na Avenida dos Andradas. A reportagem da Tribuna teve acesso ao relatório elaborado pelo colegiado parlamentar após a inspeção. O documento aponta críticas variadas. Entre elas, problemas estruturais e precariedade das instalações, como infiltrações e fiações expostas, bancos e cadeiras danificados e outras situações que, no entendimento da comissão, podem comprometer a qualidade do serviço. Sobre os problemas apontados, a Secretaria da Saúde afirmou que existe uma parceria com a Secretaria de Obras para a manutenção preventiva e corretiva sempre que necessário e conforme solicitado pela unidade.

Após a visita ao PAI, a Comissão de Saúde inspecionou ainda o prédio onde funcionava o antigo Instituto da Criança e do Adolescente (ICA) na mesma Avenida dos Andradas, próximo ao Hemominas. No ano passado, a edificação foi utilizada pela Prefeitura como centro de hidratação para as pessoas que contraíram dengue. No local, também identificaram situação classificada pelos vereadores como de abandono, com medicamentos e insumos espalhados pelo local, alguns, inclusive, próximos ao vencimento da data de validade, segundo o relatório. Apesar do que foi chamado de descaso, os parlamentares consideraram a estrutura do prédio ampla e arejada, onde hoje funciona uma central de consultas e conta, inclusive, com elevador. Feita tal constatação, a comissão reforçou a defesa para que os serviços do PAI fossem transferidos para o local.

“Pudemos observar in loco as condições precárias do Pronto Atendimento Infantil e constatar que as instalações do prédio do antigo Instituto da Criança e Adolescente apresentam melhor capacidade de atendimento”, considerou o presidente da comissão, Adriano Miranda. “Vamos trabalhar em conjunto com o Executivo para viabilizar a transferência do PAI para o prédio do antigo ICA, oferecendo um atendimento melhor e mais humanizado”, completou o vereador.

Saúde estuda uso do espaço do antigo ICA

Acionada pela reportagem, a Secretaria de Saúde admitiu que já realiza levantamentos para uma destinação adequada ao espaço onde funcionava o antigo Instituto da Criança e do Adolescente. “A secretaria vem realizando estudos detalhados, através de planejamentos estratégicos, considerando alterações estruturais e de impacto financeiro necessários para a adequação do prédio ‘PAM Andradas’ e melhor ocupação do espaço. Todas as considerações apresentadas pelos gestores das unidades são analisadas de forma criteriosa buscando atender o usuário na sua plenitude.”

Com relação à situação do prédio onde funcionou o centro de hidratação, o Município afirma que o local segue cuidado e organizado. A Secretaria de Saúde ressalta ainda que os insumos mantidos no local fazem parte do planejamento estratégico para cuidados às doenças causadas pelo Aedes aegypti. “Os insumos, que estão dentro da data de validade,
são de uso comum e distribuídos na Rede do Sistema Único de Saúde. Em caso de epidemia de dengue, seriam utilizados na Sala de Hidratação que funcionava no local.”

Relato de servidores

Os vereadores ainda coletaram relatos de servidores com relação a condições de trabalho precarizadas. Segundo alguns depoimentos, o café da manhã seria cotizado por funcionárias, que teriam, inclusive, rateado os gastos com o conserto de um aparelho de ar-condicionado que teria sido doado à unidade por médico. Por meio da assessoria da Secretaria de Saúde, a PJF rebateu as contestações de funcionários e afirmou que, através de uma empresa terceirizada, o Município oferece café da manhã, almoço, jantar e ceias aos profissionais do PAI. “Em relação à manutenção preventiva e corretiva do ar-condicionado, um novo processo de licitação já foi iniciado e segue o rito contratual.”

Fonte: Tribuna de Minas