Chorume causa impactos na saúde pública

Além do rastro de mau cheiro que é deixado pelas ruas após a passagem dos caminhões que fazem a coleta de lixo, o líquido escuro gerado pela degradação de resíduos orgânicos, conhecido como chorume, possui alta carga poluidora e gera impactos na saúde pública.

Esses impactos dizem respeito à qualidade da água e de vida da população local. Pesquisas apontam que o acúmulo de metais tóxicos causa sérios riscos para plantas e animais e, no organismo humano, causam problemas de saúde como diarreia, tumores no fígado e tireoide, dermatoses, problemas pulmonares, rinite alérgica, além de alterações gastrointestinais e neurológicas.

Ele é mais agressivo que o esgoto, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a poluição causada por um litro de chorume equivale à de cem litros de esgoto doméstico e por apresentar grandes quantidades de metais pesados e substâncias tóxicas não deve ser despejado diretamente no solo, podendo contaminar as águas do subsolo, incluindo poços artesianos. Por isso o tratamento do chorume é de grande importância para o meio ambiente e visa evitar que esse líquido atinja a água dos mananciais contaminando os recursos hídricos, daí a importância da lei 13.689 que conseguimos aprovar recentemente em Juiz de Fora, que obriga a instalação de coletores de Chorume nos caminhões de lixo da cidade. 

Isso vai evitar o derramamento de chorume no solo, já que a grande quantidade de matéria orgânica é também causa de atração dos insetos, como baratas, moscas, mosquitos, além de roedores, que podem ser veículo de transmissão de doenças para os seres humanos.

Cuidar da cidade como vereador também inclui uma preocupação ambiental, para priorizar a qualidade de vida e a saúde da nossa população!

Dr. Adriano Miranda – Médico e Vereador em Juiz de Fora