Vereador participa de reunião com coordenador nacional da Saúde Mental

A Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Juiz de Fora coordenou nesta quinta-feira, 1° junho, uma reunião entre a Secretária da pasta no Município, Elizabeth Jucá, um grupo de psiquiatras da cidade e o coordenador nacional da Saúde Mental do Ministério da Saúde, Quirino Cordeiro.

Presidente da Comissão, o vereador dr. Adriano Miranda, PHS, tem discutido o tema desde o início do seu mandato. O parlamentar tem acompanhado as reclamações de profissionais de saúde, que trabalham no SUS ou mesmo no setor privado, sobre o atendimento oferecido aos pacientes na rede pública. “Depois do fechamento dos hospitais psiquiátricos no Município temos o desafio de impedir que a população que necessita de ajuda não fique desassistida”, observou o vereador Adriano Miranda.

Juiz de Fora conta com uma Rede de Atenção Psicossocial (Raps) ainda em consolidação, mas enfrenta alguns gargalos como a deficiência de áreas específicas para internação de crianças e adolescentes, número de leitos insuficientes, a falta de Centros de Atenção Psicossocial (Caps), especialmente, na Zona Norte e a existência de apenas uma entrada para urgência psiquiátrica, localizada no HPS.

De acordo com o coordenador nacional da Saúde Mental, “o Brasil tem 2.055 Caps. Ainda estamos longe da meta de 100 mil Centros. Em Juiz de Fora, precisamos melhorar a cobertura do Caps e rever as metas para que esse atendimento seja ampliado. Por isso, é fundamental essa integração entre Executivo e Legislativo para conseguirmos atingir esse objetivo”, afirmou Quirino Cordeiro.

Por outro lado, a Secretária de Saúde disse que “gerir o SUS, principalmente, nos municípios no meio de uma grave crise econômica não é fácil. Temos dificuldade de contratar novos funcionários. Estamos trabalhando para viabilizar a abertura de concursos públicos” destacou Beth Jucá.

Representando a psiquiatria da Famed da UFJF, Alexander Moreira de Almeida e do HU também da UFJF, Alexandre de Rezende Pinto, propuseram parcerias no intuito de otimizar o tratamento com ferramentas específicas de intervenção.